Implante sub-cutâneo

POLIPOS UTERINOS
17 de maio de 2017
VIII Simpósio Internacional de Ginecologia e Obstetrícia e Mastologia da PUCRS
29 de agosto de 2017

Já foi utilizado com sucesso por mais de 2,5 milhões de mulheres desde seu lançamento mundial em 1998. Desde 2000 está registrado e aprovado no Brasil. Como é um sistema apenas com progestagênio, é adequado para uma grande variedade de mulheres, inclusive adolescentes.

Como funciona?

A colocação do implante subcutâneo no antebraço é realizada pelo médico, com anestesia local, no consultório e levando alguns segundos.

Qual sua eficácia?

As vantagens deste método incluem alta eficácia (quase 100%), independência da aderência da usuária e imediato retorno à fertilidade após a remoção. Causa muito pouca interferência no peso e na libido.

 Indicações

  • Mulheres que desejam um metódo contraceptivo prático e eficaz de longa duração (três anos).
  • Mulheres no pós-parto e amamentação. Nestes casos a aceitação do método é muito grande, sendo que as taxas de amenorréia (ficar sem menstruar) são de, aproxidamente, 75%.
  • Mulheres que não toleram o estrogênio e que tem contra-indicação a este hormônio.

Benefícios não contraceptivos de implante sub-cutâneo?

  • I. Redução dos sintomas da TPM: pode ser considerado como sendo a primeira opção para quem deseja anticoncepção e apresenta os sintomas físicos da TPM, mas também atua impedindo a labilidade emocional e suas conseqüências.
  • Melhora da cefaléia pré-menstrual.
  • Melhora da menorragia: cerca de 10% das mulheres férteis apresentam menstruações aumentadas, muitas vezes, inclusive, levando à anemia. Com o implante sub-cutâneo pelo menos 80% das usuárias tem ausência ou diminuição importante dos sangramentos.
  • Endometriose: sendo um distúrbio ginecológico muito comum, acometendo 10 a 25% das mulheres, pode ser uma alternativa hormonal efetiva para o controle da sintomatologia da doença. Costuma diminuir a intensidade da dor pélvica, cólicas e outros sintomas menstruais. Além disso, pode prevenir a recorrência da lesão endometriótica ovariana; pode ser opção para o tratamento em longo prazo da endometriose e para evitar uma nova cirurgia.

 

1 Comentário

  1. Olá lá, gosto de ler através de o post.

    Eu como para escrever um pequeno comentário para apoiar vocês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat